Governo abrirá concurso para 1.000 vagas na PF e PRF

AC, AL, AP, AM, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MT, MS, MG, PA, PB, PR, PE, PI, RJ, RN, RS, RO, RR, SC, SP, SE, TO

Ótima notícia para quem pretende ingressar na área de segurança pública federal. Em entrevista coletiva na última quarta-feira (28), o ministro da Segurança Pública, pasta recém-criada pelo governo, Raul Jungmann, confirmou a autorização de novos concursos públicos para a área, em um total de 1.000 vagas, sendo 500 para a Polícia Federal (PF) e 500 para a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ambos para ocorrer ainda em 2018. “Considerando a necessidade e urgência de reforçar recursos humanos, especialmente na Polícia Federal e na Polícia Rodoviária Federal, estamos autorizados a realizar novos concursos 2018, com 500 novos agentes para a Polícia Federal e 500 novos agentes na Polícia Rodoviária Federal”, disse o ministro. “Entramos em contato com o ministro do Planejamento (Dyogo Oliveira) e ficou definido que teremos zero contingenciamento dos recursos do Ministério Extraordinário de Segurança Pública este ano”, disse. O próximo passo é a publicação em diário oficial, oficializando a autorização dos certames.

A liberação dos concursos está relacionada ao principal objetivo do novo ministério, criado por medida provisória na última terça (27). No entendimento do governo, a pasta será responsável por coordenar e promover o combate à criminalidade em parceria com os estados. Jungmann responderá pelo comando da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional e Pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), antes vinculado ao Ministério da Justiça.

De acordo com o ministro, o orçamento para 2018 será de R$ 2,7 bilhões, uma vez que não haverá contingenciamento das verbas do órgão, conforme decidido após reunião com o Ministério do Planejamento.

Embora o ministro reconheça que o total de vagas não será suficiente para suprir as defasagens das corporações, ressalta que a realização dos concursos é imprescindível para garantir os serviços prestados. “Precisamos de muito mais, mas já é um bom início, já que, há anos, não tínhamos a possibilidade de contar com reforços tanto em uma quanto em outra”, disse.

Um dos objetivos, segundo Jungmann, é duplicar o contingente de policiais federais em postos de fronteira, além de reforçar o combate aos crimes de corrupção.

No caso da Polícia Rodoviária Federal, a expectativa é de que todas as 500 vagas sejam para o cargo de policial rodoviário, uma vez que já tramitava no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPGD) pedido de autorização para 2.778 postos.

Para concorrer ao cargo é necessário possuir formação de nível superior em qualquer área de formação, além de carteira de habilitação a partir da categoria “B”. A remuneração inicial do cargo é de R$ 9.931,57, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 458. Além disso, em decorrência da lei 13.371, de 2016, os servidores contarão com novo reajuste em janeiro de 2019, quando o inicial passará a ser de R$ 10.357,88, também com o benefício.

No caso da Polícia Federal (PF), a tendência é de que a nova seleção seja para os cargos de agente, delegado e perito. Porém a distribuição das 500 vagas pelos cargos ainda será confirmada. Também havia a intenção de oferecer postos para a carreira de escrivão. Porém, em 18 de janeiro, o então diretor-geral da PF, Fernando Segóvia, havia antecipado que o presidente Michel Temer havia garantido o aval para o certame. Porém, sem as oportunidades de escrivão.

Para concorrer ao cargo de agente é necessário possuir nível superior em qualquer área. Para perito, nível superior em áreas específicas e para delegado, nível superior em direito. Para todos os cargos, os aprovados deverão possuir carteira de habilitação a partir da categoria “B”, quando da posse.

A remuneração inicial dos agentes é de R$ 12.441,26, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 458. Além disso, a carreira contará com reajuste em janeiro de 2019, subindo para R$ 12.980,50.

Para perito e delegado, o inicial atualmente é de R$ 23.130,48, mas também contará com reajuste em janeiro de 2019, quando passará a ser de R$ 24.150,74. Para todos os cargos, a jornada de trabalho é de 40 horas semanais.

Normalmente, a lotação é feita preferencialmente nos postos de fronteira e nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima, permitindo a remoção de pessoal nestas localidades. Obedecidas estas condições, o preenchimento pode ser feito em todos os estados, de acordo com as necessidades.

Fonte: JC Concursos

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.